A rega melhora o aspecto da planta, a deixa mais saudável, possibilitando que ela realize seus processos metabólicos de maneira mais fácil. Quando a rega é feita de maneira correta e regular, as plantas ficam ainda mais bonitas e vistosas. Mas é importante lembrar que cada planta necessita de uma quantidade de água diferente, assim também como cada dia também.
Escolhi cuidar mais de mim, regar meu jardim, tomar meu café tranquilo. Ler um bom livro sem cafunés para atrapalhar meu raciocínio. Ouvir algo e não esperar você bater em minha porta a qualquer hora mudando de ideia e desejando viver comigo pro resto da vida. Não quero viver te querendo pro resto da vida, sem saber que a vida deve continuar mesmo não te tendo até o fim. Mesmo que o fim não seja exatamente até onde pensei que seria. Não quero ocupar minha cama agora. Não quero ter você no banco de carona, pegando embalo da dancinha do ombrinho até chegar em mim mais uma vez. Não quero ver você se espalhando em mim, nem se desfazendo debaixo do meu chuveiro. Escolhi não me desencontrar, não me deixar do outro lado. Escolhi amar e não esquecer que amor também é não se esquecer. É lembrar de mim e lembrar de você. É lembrar do você sempre, sem se esquecer de mim nunca.

"[...] a paisagem que vemos hoje não será a que veremos amanhã e nem tão pouco é a que foi vista ontem, pois a paisagem é produzida e reproduzida no decorrer do tempo, através da ação do homem e da sociedade sobre o território, levando em conta que cada ator social tem seu tempo próprio no espaço. Assim, a paisagem é por conseguinte objeto, concreto, material, físico e efetivo e é percebida através dos seus elementos, pelos nossos cinco sentidos, é sentida pelos homens afetivamente e culturalmente". (BERINGUIER, 1991, p. 7)
É preciso entender como se dá o processo de percepção da paisagem pelas populações locais e, principalmente, a percepção da água na paisagem. É importante entender como os diversos grupos sociais a percebem e como é a sua relação com os conflitos inseridos no seu espaço. Pois, para se efetuar qualquer estudo geográfico a respeito da percepção da paisagem, visando a implementação de medidas mitigadoras ou de reorganização do espaço urbano e de ocupação territorial, tem-se que entender como é que as pessoas sentem e entendem o lugar em que vivem, se esperam alguma mudança e quais as mudanças que querem que sejam implementadas para melhorar a sua qualidade de vida.
É necessário prestar atenção à temperatura da água de irrigação. Não é recomendado regar a grama diretamente de um poço ou poço. A temperatura abaixo de 10 ° C choca o sistema radicular da planta. Com a irrigação manual, a água deve ser defendida preliminarmente em recipientes especiais. Muito mais fácil, se você possui um sistema de irrigação automático para o gramado. A água do poço, sob pressão, tem tempo de aquecer até a temperatura do ar antes de entrar em contato com a grama e o solo.

Propõe-se então, como referencial para os estudos que pretendam avaliar a percepção da água na paisagem urbana, a comparação entre a percepção da paisagem e da água na paisagem pela população local, com as análises físico-químicas dos cursos d’água. Desta maneira, pode-se saber como está a saúde da rede hídrica na realidade e, de outra forma, como é percebida esta realidade pela população. Assim então, a partir dessa comparação, se terá subsídios para futuras intervenções na paisagem urbana, que tenham o objetivo qualifica-la, assim como qualificar as paisagens onde a água está inserida.


A paisagem também pode ser tudo que pode se ver num lance de vista ou o "conjunto de componentes naturais ou não de um espaço externo que pode ser apreendido pelo olhar" (HOUAISS, 2001, p. 2105). A polissemia da paisagem traz consigo muitas definições. Entre estas, para Santos (2002), "a paisagem é o conjunto de formas que, num dado momento, exprimem as heranças que representam as sucessivas reações localizadas entre homem e natureza". Santos, aqui, agrega à paisagem o fator da temporalidade na sua constituição.
Regar a grama do jardim não tem muito segredo, mas você precisa tomar alguns cuidados para garantir que o processo seja feito de forma adequado e uma das coisas que você deve evitar é regar a grama durante o dia quando o sol estiver muito quente, já que neste caso a combinação de calor e água poderá cozinhar as folhas. O ideal é regar de manhã bem cedo ou a noite quando já estiver bem mais fresco. Esta última opção é inclusive mais recomendável, pois a água não sofrerá a incidência do calor a noite e poderá ficar por mais tempo no solo.
Até a década se 1960, o foco central dos estudos da paisagem estava na sua morfologia, sendo a contribuição de Sauer, em seu artigo, já referido, The Morfology of Landscape, uma das mais importantes nesse sentido. A partir do final da década de 1970, Corrêa (2003, p. 179) sublinha que diversos autores, entre eles Meinig (1979), introduzem, nos estudos da paisagem, a interpretação. Assim, pode-se dizer que, a paisagem urbana é um campo rico para a interpretação, permitindo "múltiplas leituras a partir de diversos contextos históricos-culturais, envolvendo diferenças sociais, poder, crenças e valores". Portanto, a paisagem urbana é repleta de signos e símbolos, e seus significados podem ter inúmeros sentidos.
Essa Geografia considerava a paisagem como uma unidade espacial definida em termos formais, funcionais e genéticos. A primeira obra teórica importante de Sauer foi The Morfology of Landscape. Neste importante trabalho, Sauer estabelece conceitos que fundamentaram a Geografia Cultural, principalmente a norte-americana, entre eles: a valorização da relação do homem com a paisagem (ambiente), que por ele é formatada e transformada em habitat; a análise dessa relação sempre é feita a partir da comparação com outras paisagens, formatadas organicamente, o que gera uma visão integral da paisagem que individualiza a Geografia enquanto disciplina.

Chegando lá, um moço de vinte e poucos anos bem atarefado mostrou pouca disposição para me ajudar com uma rota. Ele me deu uma série de folhetos de uma rota fechada chamada Ravel, que me levaria até Hoegaarden. Mas não era para lá que eu queria ir. Como eu tinha outro problema, encontrar onde dormir, decidi deixar a rota para o dia seguinte e tentar me acalmar e descansar.
A paisagem também pode ser tudo que pode se ver num lance de vista ou o "conjunto de componentes naturais ou não de um espaço externo que pode ser apreendido pelo olhar" (HOUAISS, 2001, p. 2105). A polissemia da paisagem traz consigo muitas definições. Entre estas, para Santos (2002), "a paisagem é o conjunto de formas que, num dado momento, exprimem as heranças que representam as sucessivas reações localizadas entre homem e natureza". Santos, aqui, agrega à paisagem o fator da temporalidade na sua constituição.
Com certeza deve-se evitar encharcar a terra, mas não há uma quantidade exata de água para colocar nas plantas. Água demais deixa as raízes das plantas afogadas, pois elas também precisam de ar, além do que, água em excesso pode acarretar no aparecimento de fungos e outras doenças. Vá regando aos poucos e quando a água parar de entrar na terra, ou começar a escorrer pelo fundo do vaso, está bom.
Regue com abundância e em profundidade. A maioria das plantas é mais saudável quando as suas raízes se desenvolvem profundamente no solo, em vez de próximas à superfície ou no exterior. Deixe a água penetrar profundamente, a fim de saturar o solo completamente e garantir que ela atinja as extremidades das raízes, também encorajando o crescimento da raiz para baixo.

Controle a saída de água do sistema de irrigação. Se você instalou um sistema de irrigação com sprinklers no jardim, é importante configurá-lo de acordo com as necessidades da grama. Para medir a saída de água, espalhe algumas latinhas de comida ou canecas pelo quintal e coloque os sprinklers para funcionar por 20 minutos e use uma régua para medir a profundidade da água em todo o quintal.


A esses aprofundamentos também são agregados à Geografia Cultural temas que não eram por ela tratados anteriormente. Nessa mudança, o conceito de cultura é repensado. A cultura não é mais vista como entidade supra-orgânica, nem como superestrutura. A cultura diz respeito às coisas do cotidiano, comuns, apreendidas na vida diária, na família, no trabalho e no ambiente local. As idéias, habilidades, linguagem, relações em geral, propósitos e significados comuns a um grupo social são elaborados e reelaborados a partir da experiência, contatos e descobertas – tudo isto é cultura.
Com certeza deve-se evitar encharcar a terra, mas não há uma quantidade exata de água para colocar nas plantas. Água demais deixa as raízes das plantas afogadas, pois elas também precisam de ar, além do que, água em excesso pode acarretar no aparecimento de fungos e outras doenças. Vá regando aos poucos e quando a água parar de entrar na terra, ou começar a escorrer pelo fundo do vaso, está bom.
. Pulverize rasa freqüente garantir o crescimento da raiz grácil, que é ruim para todas as plantas. É também a segunda maior causa de problemas de pragas persistem prados (o primeiro é escalpelamento). Regar com freqüência também ameaça as raízes das plantas ficar úmido, o que eles podem apodrecer no térreo. As plantas precisam secar entre as regas.

Propõe-se então, como referencial para os estudos que pretendam avaliar a percepção da água na paisagem urbana, a comparação entre a percepção da paisagem e da água na paisagem pela população local, com as análises físico-químicas dos cursos d’água. Desta maneira, pode-se saber como está a saúde da rede hídrica na realidade e, de outra forma, como é percebida esta realidade pela população. Assim então, a partir dessa comparação, se terá subsídios para futuras intervenções na paisagem urbana, que tenham o objetivo qualifica-la, assim como qualificar as paisagens onde a água está inserida.
. As plantas são mais receptivos à água a esta hora do dia, porque suas células são "abertura" para aceitar o orvalho da manhã através das folhas. (Esta é a razão pela qual a alimentação foliar, quando você pulveriza algo como chá composto diretamente sobre as plantas para alimentá-los, só deve ser feito no início da manhã). As raízes das plantas também são mais receptivos a água na parte da manhã, e usar a umidade é fornecido com a máxima eficiência.

E regar o jardim deve ser habilmente. Um vai derramar o jardim 3-4 vezes por verão, eo outro apenas 1-2 vezes, mas ele terá mais sentido. As árvores precisam mais de umidade quando o ovário começa a crescer e quando as frutas se tornam quase reais. Aqui neste momento e você precisa de água. Antes de regar, os círculos próximos do tambor se soltam, para que a água não role em vão, mas vá para as profundezas. E se eles decidiram regar o jardim, então para cada árvore adulta é necessário despejar pelo menos 15 a 20 baldes para absorver completamente o solo.Se você regar um pouco, isso estraga as árvores.
Partindo da observação crítica da paisagem e do levantamento de dados (descrições e características) é produzido novos conhecimentos sobre o lugar em análise. Tais observações e aprofundamentos se dão por auxílio de instrumentos essenciais para sua formulação, como as imagens (fotografada ou mental), os mapas e principalmente o olhar crítico sobre o local observado.[11]

Cada indivíduo tem a sua concepção a respeito da paisagem e, sendo o indivíduo parte de uma sociedade que tem sua cultura distinta, cada cultura tem, então, o seu ideal de paisagem. E essa paisagem vai também refletir esse ideal, que juntamente com outros fatores vão influenciar na percepção da paisagem. Assim, qualquer estudo dessa natureza que não inclua a questão cultural em sua análise poderá resultar incompleto, sem um componente indispensável: o homem e a sua ação no espaço.
Ao chegar em casa no início da tarde e ver suas flores e vegetais favoritos murchando, você provavelmente corre para ligar a mangueira. No entanto, essa não é a melhor decisão a se tomar em termos de eficiência. Quando você rega as plantas durante a parte mais quente do dia, até 30% da água simplesmente evapora por causa do calor do sol e não beneficia suas plantas. Em vez disso, você deve regar no início da manhã ou no final da tarde ou à noite, para que suas plantas obtenham o máximo benefício com a menor quantidade possível de água. Você também deve observar que muitas plantas levemente murchas “voltarão à vida” nas partes mais frias do dia, mesmo sem molhá-las.
: novas plantas grandes. Quando você insere novas árvores e arbustos no solo no início da primavera ou no outono (nunca no verão, quando o risco de morte é muito alto), deixe a mangueira de água a cair na base de cada novo sistema por 24 horas e repita a cada poucos dias a várias semanas, se a chuva é escassa. Afaste-se se a chuva é abundante, mas estar preparado para fornecer uma hora diferente "gotas" por muito tempo um par de vezes por semana, durante um ano inteiro. A falta de água na fase inicial é a principal causa de morte de árvores recém-plantadas.

Regue à tardezinha se o período da manhã for inconveniente. Nem sempre é conveniente regar o jardim logo pela manhã quando se tem milhões de outras coisas para fazer. Caso não seja possível fazê-lo pela manhã, espere até o fim da tarde, quando o sol não está mais tão quente. Assim, as plantas não se queimarão e ainda existirá tempo para que elas sequem um pouco antes do cair da noite.[2]
No seu conceito chave de “ecologia integral’ (capítulo 4) encontramos, com profunda qualidade argumentativa, a implicação mútua entre o cuidado com a natureza e o cuidado com o ser humano. Ou seja: o escrito magisterial desenlaça um nó ainda em vigor – em tempos de tristes polarizações – no qual antropocentrismo e biocentrismo disputavam atenções e prioridades de políticos, acadêmicos, cientistas e mídia.
Nas cidades, devido a efetiva impermeabilização dos solos pela ocupação imobiliária, pelas vias de transporte e pelo material utilizado nas canalizações, há pouca ou nenhuma realimentação do lençol freático e dos cursos d’água pela chuva, transformando-os exclusivamente em redes de esgotos. No atual processo de urbanização, a característica natural da rede de drenagem é totalmente modificada, assim como a vegetação natural é degradada ou suprimida, o relevo alterado e, até mesmo, a relação do homem com o seu meio sofre influência desse processo.
Cabe destacar que, apesar de possuir sentido equivalente ao termo landschaft, surgido em meados do século XVI, de origem alemã (e de onde deriva a palavra inglesa landscape), o sentido colocado entre elas possuem grandes diferenças ontológicas e, enquanto o conceito no francês se associa ao olhar que se coloca sobre uma região, o conceito alemão abrange dimensões de “toda uma região com suas complexidades morfológicas, e não se limitando, portanto, ao sentido estrito daquilo que se abarca com o olhar, a cena”.[5]
×